quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Uma Noite de Tédio Burguês na Metrópole "Cool" - Por Luiz Domingues

Dia desses, assisti pela enésima vez o filme "Noite Vazia", do diretor Walter Hugo Khouri, numa reprise de um canal pago especializado em cinema brasileiro.

Tenho uma cópia à minha disposição na minha estante de DVD's, mas não resisti ao impulso de vislumbrar novamente a arte do velho Khouri numa exibição televisiva.

Sou muito fã de Walter Hugo Khouri e seu cinema "europeizado", no  bom sentido do termo. 

A despeito de seus detratores,  eu curto muito o seu estilo sem fronteiras, sem apegos regionalistas, sem maneirismos ou clichês tupiniquins.
Falando do filme, o tédio dos dois personagens principais, Luizinho e Nelson (interpretados por Mário Benvenutti e Gabriele Tinti), vagando como dois zumbis hedonistas pelas boites de uma São Paulo começando a se insinuar cosmopolita, é um dos pontos altos do filme.
Mas tem mais atrativos: O encontro com as duas prostitutas, Mara e Regina (interpretadas por Norma Benguell e Odete Lara),que certamente reforça o estereótipo do vazio existencial dos dois homens; enquadramentos realçando essa característica; Diálogos, muitas vezes ríspidos entre os quatro personagens; climas "Bergnianos" no tocante às cenas de silêncio e planos longos ; Ecos da Nouvelle Vague (principalmente nas cenas de peregrinação dos dois amigos pela noite de São Paulo) ; etc.
Isso sem contar com as marcas registradas que o Khouri desenvolveu ao longo de sua cinegrafia, tais como : O Jazz que sempre norteava a trilha sonora; Referências às artes Plásticas (Khouri sempre dava um jeito de inserir algum elemento , nem que fosse de forma sutil, como um livro de Renè Magritte jogado despretenciosamente sob um poltrona, numa panorâmica de câmera ou algo do gênero) e o forte apelo erótico, sem vulgaridade, mas pelo viés da psicologia analítica (olhe o Bergman aí de novo, como influência...).
E para encerrar, impressiona-me muito os minutos finais do filme, com a melancólica saída de cena das prostitutas, deixadas na Praça Roosevelt, quando ainda era um pátio de estacionamento repleto de Gordinis, Aero Willys e DKW's daquele longínquo 1964...

E mais melancólica ainda é a despedida dos amigos, durante um silencioso trajeto pela Av. 9 de julho, diante de um amanhecer gélido e cheio de desesperança, após uma "Noite Vazia"...

Está encerrada aí, uma das principais páginas do cinema brasileiro. 


Texto publicado na comunidade "Walter Hugo Khoury", da extinta Rede Social, Orkut em 2010, no tópico : "Noite Vazia". Posteriormente, foi revisado, aumentado e publicado no Blog do Juma, 2011. 

4 comentários:

  1. Ótimo texto amigo,gosto muito dos filmes dessa época, Norma Benguell é uma das minhas atrizes preferidas...vou ficar de olho no ''canal Brasil''abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente, Kim ! Recomendo esse filme , sem dúvida alguma. Um dos melhores trabalhos do WHK. E no Canal Brasil, passa sempre, aliás, é de lá que tirei minha cópia.

      Excluir
  2. Texto super cool Luiz!!!! Fiquei com vontade de assistir!!!! E ver São Paulo dos anos 60 com seus DKWs e duas deusas do cinema Benguell e Lara!!!!Tava lendo que Noite Vazia concorreu a Palma de Ouro de Cannes e música do Rogério Duprat!!!Ainda descobri que a Liliam Lemmertz desistiu na última hora do papel que ficou com Odete!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sensacional que tenha curtido, Silvana !

      Eu adoro esse filme do Khoury, aliás, admiro toda a sua obra.

      Neste em específico, acho fascinante como a cidade de São Paulo é retratada, de uma forma absolutamente cosmopolita, em diversos aspectos. Gosto muito das interpretações, fotografia, iluminação, enquadramentos, diálogos e como o tédio hedonista é retratado com maestria pelo diretor.

      A Liliam era uma atriz de confiança dele e participaria de outros filmes, tempos depois.

      Sim, trilha sonora chic, também.

      E ver DKW's, Gordinis, Aero-Willys e Fuscas em profusão pela São Paulo de 1964,tem um valor sentimental extra para nós que éramos crianças nessa década de 1960.

      Grande filme que recomendo assistir, sem reservas !

      Excluir