sábado, 10 de maio de 2014

O Trilho que orgulha o Paraná - Por Luiz Domingues


Os estados do sul do Brasil sempre tiveram uma tradição muito forte como celeiro de grandes artistas em todos os segmentos. Na música, e no Rock em específico, a lista é grande.

No caso específico do Paraná, é óbvia a lembrança de uma banda histórica como "A Chave", que tive o prazer de ver ao vivo nos anos setenta, e posteriormente a sua reencarnação, ou reinvenção, como queiram, como "Blindagem" , atravessando décadas sendo capitaneada pelo grande Ivo Rodrigues, orgulhando as tradições da terra dos Pinheiros.


Mais adiante, a safra oitenta/noventista deu as caras com muitas bandas boas, destacando-se o Relespública, com sua proposta de resgate do som Mod sessentista, além do Faichecleres, com veia da Swinging London sessentista.

Ultimamente, o Paraná tem mostrado um novo fôlego, revelando nomes interessantes, e dentro dessa cena, um projeto chamado "Gravando Curitiba", fez uma prévia envolvendo diversas bandas e fechou com 12, consideradas as mais promissoras.


"Trilho ", faz parte também, com muita justiça, além do "Pão com Hamburguer", outra elogiada banda curitibana.

Cada banda gravou um Ep com média de 5 a 6 canções, um impulso legal para iniciar uma trajetória, sem dúvida.

E agora, esperamos que o "Trilho" parta para um CD com mais canções ainda, subindo cada vez mais na carreira.


"Trilho" surgiu em 2009, com um line-up bem jovem, mas antenadíssimo em estética retrô da melhor qualidade.

Suas influências são nitidamente calcadas no Rock das décadas de sessenta e setenta, o que por si só, já despertaria a minha simpatia imediata, mas na música de "Trilho", tem pitadas generosas de Blues, espaço para o Folk-Rock e até o Hard-Rock insinua-se, ainda que mais comedidamente.

A banda passou por mudanças no seu line-up ao longo dos anos, mas se apresenta estável com a seguinte formação : André Prokofiev (guitarra); Guilherme Richter (bateria); Thiago Fabiano (baixo); João Lima (teclados e Violão) e Fabíola "Birlla"Malerba (vocal).


A guitarra de Prokofiev (nome de compositor refinado, não sei se tem parentesco, mas evidentemente honra a tradição desse sobrenome), é classuda. Certamente bebeu das mais belas fontes do Southern Rock americano, ao mostrar um repertório de frases, riffs e desenvoltura ao slide, revelando sua proximidade ao country-Rock e diversas correntes do Blues.

Fabiano e Richter formam uma cozinha de extrema competência. Ao ouvir sua firmeza e riqueza rítmica, imediatamente reporto-me ao Grand Funk Railroad. Tal dupla confere à banda, uma segurança muito grande.

Gosto bastante da atuação do tecladista João Lima, que pilota as teclas à moda antiga, com muito swing, pompa & circunstância, ou seja, não está ali para fazer "caminhas harmônicas", como os horríveis tecladistas oitentistas faziam, mas abrilhantar, como é o papel de um bom tecladista que segue a tradição de Emerson, Wakeman; Crane; Hensley, e Lord, só para citar cinco. 


Isso sem contar que toca violão bem e nos números acústícos, sua boa base ajuda e muito.

E a vocalista Fabíola Malerba é um caso à parte. Dona de uma voz rasgada, que lembra muito o timbre e interpretação de cantoras da pesada como Maggie Bell; Tina Turner; Kiki Dee; Janis Joplin; Rita Coolidge; e Etta James, é talento puro na linha de frente, com desenvoltura e presença de palco de frontwoman.

Especial Rock & Madeira, com uma performance acústica da banda.

Foi através dela que conheci a banda, aliás, quando nos tornamos amigos na rede social Orkut, amparados pelo fator evidente que compartilhávamos de dezenas de comunidades em comum, versadas no Rock 60/70, contracultura & afins...

Desde o início de nossa amizade e logo que ela enviou-me links da banda em ação, associei-a à Maggie Bell, uma cantora escocesa maravilhosa que era vocalista da banda Stone the Crows, bem no fim dos anos 60 e início dos 70. Posteriormente, Bell fez carreira solo lançando disco pela gravadora do Led Zeppelin (Swan Song), com o baixista do Led, John Paul Jones em pessoa, cuidando de sua produção de estúdio etc etc.

Era chamada de "Janis Joplin Britânica" e a comparação fazia sentido, pois seu "gogó" era privilegiado como o de sua contemporânea do outro lado do oceano.


Brincava com a Fabíola "Birlla", chamando-a sempre de "Maggie Bell brazuca", uma brincadeira carinhosa, mas com fundo de verdade, visto que ela tem mesmo certas semelhanças vocais com a grande Maggie.
        Aqui, o Trilho interpreta a canção "Montanha do Paraná"                        

O "Trilho" já tem uma ótima fama em Curitiba e no Paraná como um todo; participou de algumas edições do festival Psicodália em Santa Catarina (que é um fenômeno no Brasil moderno, por ser um festival onde a "vibe" é 100 % retrô, com uma juventude que chega a ser de 5000 pessoas vivendo o sonho de Woodstock aqui e agora e curtindo bandas jovens que tem essa influência forte em sua música), com muito sucesso.

 https://www.youtube.com/watch?v=76GlVrHY9VQ
O link acima direciona para o clip da música "Esse Rock Foi Quem Fez", uma autêntica paulada !


Ganhou um festival chamado "Festival Jam Session Crossroads", onde suplantou 120 outras bandas concorrentes.

Já participou de muitos programas de rádio, faz muitos shows, com agenda sempre cheia e tem muitos admiradores confessos (eu, incluso), conforme se nota pelas redes sociais da internet.

Para conhecer seu som e sua história, eis o seu endereço no Reverbnation :

http://www.reverbnation.com/otrilho

No facebook, dá para saber de seus agitos, também :

https://pt-br.facebook.com/otrilhorock


No canal de You Tube da banda, muitos vídeos para ver e curtir :

https://www.youtube.com/user/otrilho

O Rock paranaense está bem servido e representado. Torço para que consigam expandir-se, tornando-se uma banda nacionalmente famosa.



8 comentários:

  1. Bem legal o som banda, ótimo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que legal que curtiu o som do Trilho. Acho que se trata de uma banda muito promissora na cana rocker moderna e merece portanto, todo o nosso apoio.

      E sei bem que você, Kim, com sua cultura avantajada, se afirma que gostou, é porque essa banda tem nível, realmente.

      Obrigado por ler e comentar !

      Excluir
  2. Excelente texto cara, conhece do assunto hein!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilha para mim saber que apreciou o texto. Grato pela leitura, participação e elogio.

      Quanto à banda, deduzo pelo seu sobrenome que tem proximidade sanguínea com ela, portanto, deve conhecê-la e apreciá-la com bastante entusiasmo e nesse caso, sabe bem o quanto ela é boa.

      Abraço, Eduardo !

      Excluir
  3. Amigo,
    gostei muito dessa banda de Curitiba, muito interessante!
    Seu texto é muito bom e você consegue passar a mensagem muito bem, com informações boas e bem lógicas, sem muitos rodeios.
    Parabéns!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sensacional receber a sua visita aqui neste meu Blog 1, também. Fico lisonjeado por receber elogios contundentes de uma escritora tarimbada como você !

      Muito grato por salientar que achou meu estilo direto. Sou mesmo coloquial e tento além de passar informação, imprimir emoção nas entrelinhas.

      E quanto à banda, acho-a muito promissora.São ainda bem jovens e vão criar muito ainda, tenho certeza !

      Grande abraço !!

      Excluir
  4. Outra pérola que você nos mostra.
    Gostei da banda e seu texto bem detalhado desperta o interesse em ouvir o trabalho deles.

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Jani ! Pérola é uma boa definição para se qualificar i trabalho de uma ótima banda jovem como é o "Trilho".

      Grato por ler, comentar e apreciar o trabalho dos meninos e da menina.

      Abraço !

      Excluir